FOCA BRASIL - Fundação Organizacional de Comunidades Autônomas

divisor

Conscientização Cultural


Cultura Popular pode ser definida como qualquer manifestação cultural (dança, música, festas, literatura, folclore, arte, etc.) em que o povo produz e participa de forma ativa.


Ao contrário da cultura de elite, a cultura popular surge das tradições e costumes e é transmitida de geração para geração, principalmente, de forma oral. Exemplos de manifestações da cultura popular: carnaval, danças e festas folclóricas, literatura de cordel, provérbios, samba, frevo, capoeira, artesanato, cantigas de roda, contos e fábulas, lendas urbanas, superstições, etc.


O processo de transmissão do saber popular


A cultura popular possui como uma de suas características marcantes, na maioria dos fatos, a transmissão dos conhecimentos de maneira informal e não acadêmica. Os costumes e tradições não são repassados através de métodos e teorias tradicionalistas acadêmicas, as manifestações possuem seus próprios ritmos de transmissão e funcionalidade.


Entende-se também que o saber popular é adquirido com o tempo e repassado através dele. As diversas manifestações do saber popular estão presentes no cotidiano dos moradores desde sua infância e o acompanham no seu crescimento, permitindo assim que sejam prolongadas e repassadas para gerações posteriores.


Dentre as diversas manifestações populares existentes no mundo, a música possui em algumas situações papel fundamental e muitas vezes é por si só a própria manifestação cultural popular. No momento que a música é utilizada nas manifestações como complemento de ritos, tradições e costumes ela adquiri uma função e passa a integrar o contexto social do indivíduo.


Formação de lideranças comunitárias para multiplicação do saber


Uma alternativa que desponta como viável para a promoção da inclusão social consiste em capacitar lideranças comunitárias, tornando-as multiplicadoras de conhecimentos e oportunidades, estimulando a participação popular, para que haja a implementação de alternativas próprias de promoção econômica.


O fomento da atividade cultural como geradora de emprego e renda. O exemplo do artesanato.


Com a crise de desemprego cada vez mais as pessoas procuram saídas estratégicas para seu sustento. Muitas pessoas têm conseguido ganhar mais, através do artesanato, uma importante manifestação da cultura popular.


O artesanato, além de poder ser feito sem sair de casa, traz lucros sem a necessidade de investir muito capital.


São Paulo é o estado brasileiro que possui maior variedade de artesanato em geral, isto porque reúne além do seu próprio artesanato, contribuições de todos os estados brasileiros e dos imigrantes que vieram em busca de uma vida melhor.


A possibilidade de trabalho com artesanato é enorme, hoje existem oficinas que oferecem cursos artesanais e até na internet há sites que promovem cursos on-line, além de divulgar o trabalho de artesãos. Todo esse crescimento no setor fez com que os governos também vissem no artesanato uma fonte geradora de empregos.


Já existem em diversas localidades órgãos que prestam serviços como: reconhecimento profissional, legalização Fiscal, apoio comercial, aprimoramento técnico, incentivos à produção, e orientação jurídica para os artesãos, cooperativas e núcleos de produção artesanal, ajudando a gerar renda e emprego através da arte e cultura.


Artesanato urbano e meio ambiente


O artesanato além de gerar empregos também pode ajudar a manter o equilíbrio ecológico. Outro ramo que tem crescido é o de artesanato urbano que é feito a partir de produtos recicláveis.


Esse tipo de artesanato, além de ser um meio ecologicamente correto de se ganhar dinheiro, tem um custo muito baixo com matéria-prima. Os materiais utilizados são dos mais diversos, mas os principais são: latas de alumínio (como as de refrigerante), garrafas plásticas, e papéis diversos.


O artesanato de jornal surge a partir de canudinhos feitos com as folhas do jornal enroladas. Esses canudinhos substituem o vime, a palha e outros produtos que trançados dão forma a cestas, sacolas e outros produtos.


Garrafas plásticas são transformadas em vasos decorativos ou em plantas artificiais, por exemplo. Além de evitar que sejam jogadas fora simplesmente e demorem muito tempo até se decompor, podem ser reutilizadas através do artesanato e com a venda virar dinheiro novamente.


Respeitar as diferenças: só assim se consegue afastar o fantasma do preconceito e formar uma sociedade mais tolerante.


Lutar contra o preconceito é uma decisão que precisa ser encampada pela coletividade, não é uma responsabilidade só de quem é discriminado. Se a construção da autoimagem do jovem em nosso país prevê que o negro se sinta submisso, e o branco superior, sempre haverá problemas para a sociedade como um todo.


Aceitação da diversidade. Devem-se conhecer as várias etnias e culturas, valorizá-las e respeitá-las. Repudiar a discriminação com base em diferenças de raça, religião, classe social, nacionalidade e sexo. Reconhecer as qualidades da própria cultura, exigir respeito para si e para os outros.


Todos nós temos uma história de vida, com características pessoais e crenças arraigadas. Devemos nos analisar e verificar se nossas posições têm por base a justiça e a ética.


Ações que valorizem as diferentes etnias e culturas devem fazer parte do nosso cotidiano, mas isso não é tudo. É preciso que aprendamos a repudiar todo e qualquer tipo de discriminação, seja ela baseada em diferenças de cultura, raça, classe social, nacionalidade, idade ou preferência sexual, entre outras tantas.


Somos todos diferentes, mas não melhores ou piores uns em relação aos outros.


Voltar ao topo

© 2013 FOCABRASIL - Todos os direitos reservados | Política de Privacidade | Termos de uso